Política brasileira de enfrentamento às drogas e a visão jurídico-espírita

Fórum de Discussões e Debates dos Associados da AJE-SP
admin
Administrador
Mensagens: 4
Registrado em: 07/Jan/2015, 14:36

Política brasileira de enfrentamento às drogas e a visão jurídico-espírita

Mensagempor admin » 14/Out/2015, 11:29

Prezados (as) associados (as):

Instada pela AJE-Brasil, a nossa AJE-SP vem discutindo o tema “Política brasileira de enfrentamento às drogas e a visão jurídico-espírita”.

Nossa abordagem há de partir de um pressuposto óbvio, que não comporta, ao que nos parece, qualquer objeção: as drogas são prejudiciais ao ser humano, acarretando-lhe graves consequências de ordem física, psicológica, social, emocional, profissional e espiritual.

A questão que se coloca à nossa discussão, portanto, há de ser como lidar com as drogas na sociedade contemporânea, respeitando, de um lado, os valores do Estado Social e Democrático de Direito e, de outro, os valores do Espírito imortal voltado ao bem e à evolução, conforme os postulados da Doutrina Espírita.

Assim, como mera sugestão para orientação dos estudos, lembramos as seguintes questões, que melhor se prestam à finalidade se analisadas em conjunto:

1. Há como se eliminar as drogas da sociedade humana contemporânea? As influências espirituais ocorrentes tornariam possível a total eliminação das drogas?

2. A que critérios obedece a classificação das drogas em lícitas e ilícitas? Há interesses incompatíveis com a cultura da paz e da justiça na forma com que a sociedade materialista lida com a temática das drogas?

3. A repressão penal é eficaz e eficiente no enfrentamento da questão? O Direito Penal tem contribuído para inibir o consumo e/ou o tráfico de drogas? Como conciliar a perspectiva repressiva à necessidade educativa e pedagógica do Espiritismo?

4. A prevenção do uso de drogas deve se dar por meio de políticas públicas específicas? De que tipo: de saúde, de educação, assistenciais ou outras? Como conceber-se a prevenção à vista da condição de Espírito imortal do usuário ou dependente químico?

5. O tratamento da drogadição pressupõe a privação da liberdade do usuário ou dependente químico? Como se conceber uma estratégia de tratamento que garanta, ao mesmo tempo, a autonomia do Espírito e a possibilidade de reintegração à vida social sem a dependência química?

6. As religiões podem contribuir para a prevenção e tratamento da dependência química? Têm conseguido fazê-lo?

7. E o Espiritismo e o Movimento Espírita, em especial, podem contribuir para aquele resultado? Têm conseguido fazê-lo? Que providências podem ser adotadas para que se alcance bons ou melhores resultados em tal propósito?

8. A descriminalização do porte de drogas para uso seria uma alternativa para enfrentamento do problema? E a descriminalização do tráfico, poderia eventualmente sê-lo?

9. Uma leitura crítica e consistente da Doutrina Espírita permitiria vislumbrar-se uma política alternativa para enfrentamento das drogas na sociedade contemporânea?

Seria muito oportuno se pudéssemos aprofundar a discussão também neste Fórum, que tem exatamente esta finalidade.

E então? O qual é a sua opinião sobre tão tormentoso tema?

Voltar para “AJE-SP”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitante

cron